terça-feira, 14 de março de 2017

|Portugal| Galão e Natas

Foto: Instagram @amulherdo31
Quem segue A Mulher do 31 pelo Instagram deve reconhecer esta partilha de hoje.

Como já vos contei guardo muita coisa e estou em vias de me desfazer de muitas delas... ao folhear as inúmeras revistas que tenho cá por casa, dei-me com esta página que remonta a Setembro de 2010. Trata-se de um artigo acerca dos ideais de vários países.

Interessante! Há poucos dias atrás lia um blog de uma mamã alemã, que está a passear com a sua família em Lisboa, e lá estava ela a falar do famoso galão e das natas.

Na lista de post que gostaria de escrever estava este... a grande diferença que senti quando há oito anos viemos para a Alemanha: a cultura portuguesa do café.

Habituada a não pensar duas vezes antes de me sentar num café para tomar o pequeno almoço, lanchar ou apenas beber um expresso... deparei-me com uma realidade muito diferente... não só em termos de preços, um expresso aqui é por volta de dois euros e não sabe nada bem, como da praticamente não existência dos cafés nos moldes que estava habituada.

Neste país que nos acolhe existem sobretudo três modelos de cafés, que poderiam substituir o nosso, mas que não são iguais a ele. Um é a padaria, outro é a gelataria e, por fim, o café. Já passo a explicar.

Quando na Alemanha vamos a uma padaria temos uma diversidade imensa de pães: pão de batata, pão de cerveja, pão com sementes... e também de papo secos. O pão é o rei deste tipo de comércio, embora normalmente ao lado haja uma montra de bolos. Aliás esta loja chama-se padaria, e não pastelaria, apesar de existirem (em menos quantidade) as confeitarias que são, digamos, apenas cafés de bolos, chocolates, bombons... Tanto nas padarias como nas confeitarias servem café, cappuccino...

Nas padarias existem mesas, algumas apenas têm um ou duas... e são maioritariamente os idosos que as ocupam. Encontram-se entre eles e convivem um bocado. O alemão, que trabalha, passa de manhã para comprar o seu pão, ou sandes para o almoço, e não fica. Os jovens devem ter outros locais preferidos ou economizam esse gasto.

Depois existem, por estas bandas, as gelatarias que acabam por fazer o mesmo efeito na vida dos alemães que o café na dos portugueses, mas mesmo assim... Quer de inverno, quer de verão, as gelatarias (às paletes por aqui) estão cheias. No verão as suas esplanadas transbordam de gente a deliciar-se com as enormes taças de gelados. Também aqui servem café, cappuccino...

O terceiro modelo é o café em si... e o mais semelhante ao estilo português, diria eu. Destaco o Cafe New York e o Cafe Extrablatt (têm imagens para poderem avaliar!!). Tanto num como noutro também servem refeições. Digo que se assemelha, porque têm imensas mesas e espaço, e barulho das pessoas a circular e a falar, e onde podemos ficar por muito tempo, que não nos sentimos constrangidos por sermos quase os únicos. E estes já são frequentados muito mais por adultos jovens. Só que... falta-lhes aquela imensa montra de vidro repleta de bolos, folhados e afins. Falta sermos servidos ao balcão. Falta um empregado a gritar para o outro do lado de trás da montra. (Sobre tema semelhante já escrevi AQUI. Aproveita e lê!)

Mas passados oito anos já me habituei... a gozar do café, do nosso café, cada vez que vou a Portugal... e gozar da padaria, e da gelataria, e desta café, enquanto aqui estou. O melhor de dois mundos! Ah, e raramente tomo galão e como natas. E vocês?

Segue A Mulher do 31 (@amulherdo31) também no Instagram e no Facebook.

Sem comentários:

Enviar um comentário

© A Mulher do 31 - 2016. Todos os direitos reservados.
Criado por: Ana Oliveira.
Tecnologia do Blogger.
imagem-logo