quarta-feira, 21 de dezembro de 2016

|Natal| Na Primária

Foto: Ana Filipa Oliveira
Ao ver esta fotografia lembrei-me imediatamente dos desenhos que adornavam os cartões de Natal, quando eu andava na Primária. Eu desenhava sempre uma vela ao meio, três bolas nos seus pés e duas folhas de azevinho, uma de cada lado. E ficava tão orgulhosa do meu feito!
Desejo que neste Natal nos possamos sentir orgulhosos de cada pequeno gesto! Que tenhamos a alegria e a gratidão de uma criança (esqueçamos que há crianças ingratas, ok kkkk)!
Boas Festas.

terça-feira, 20 de dezembro de 2016

|Pai Natal| Ele roubou

Foto: Ana Filipa Oliveira
O Pai Natal roubou... O Pai Natal tirou da manjedoura o menino Jesus e aí se sentou, como num trono... num trono que não lhe pertence. O Pai Natal roubou a festa ao aniversariante. O Pai Natal roubou para si a atenção... e deixou o menino Jesus apagado, lá no tempo da antiguidade. Lembro-me de em pequenina ir à Missa do Galo e beijar a figura do menino Jesus. Uma figura pequenina, mais do que eu nessa altura, deitada e transportada numa almofada, também ela pequenina e fofinha... Recordo-me do presépio que era montado na casa da minha avó... um presépio de loiça, com as ovelhinhas a pastar no verde prado, que a minha avó construía com musgo, e da casa de palha onde o menino Jesus, deitado ele também em palha, estava ladeado por José e Maria... os três Reis Magos que vinham a caminho... [agora que escrevo, deu-me uma vontade imensa de saber se esse presépio ainda existe e revê-lo, agora com dedos e olhos de adulta]. Era um presépio que me encantava! E esse encanto, esse brilho nos olhos e calor no coração, de ver a representação do menino Jesus, e de saber de quem é esta festa... o Pai Natal - a mim - não me roubou. O maior, e melhor presente, não vem num saco grande, vermelho, às costas de um gordo barbudo... vem do que o menino - tornado homem - nos ofereceu.

segunda-feira, 19 de dezembro de 2016

|Natal| Qual é o teu Centro este Natal?

Foto: Ana Filipa Oliveira
Com que adornas a tua mesa? A quem abres a porta para entrar? Quem convidas a sentar?
Que neste Natal coloques VERDADEIRAMENTE o Amor, a Vida, a Luz... no centro da festa! Que abras a porta DE PAR EM PAR aos sorrisos, aos abraços, às palavras de afecto...! Que recebas à tua mesa SEM RESTRIÇÕES Aquele que é o aniversariante desta festa de todos nós!
Votos de um Natal abençoado. 

quarta-feira, 14 de dezembro de 2016

|Natal| Feltro, Madeira, Papel

Feltro

Quando andava no infantário, lembro-me de costurar um coração com tecido acetinado e com umas rendas... no interior lavanda... para oferecer à minha mãe. Sei que não ficou o presente mais perfeito que alguém pode receber, mas coloquei o meu coração naquele coração. Num destes Natais decidi fazer corações em feltro. Primeiramente era para adornar a nossa casa, mas depois acabou por ser ofertado... e fiquei tão feliz de ainda há pouco tempo, ver o meu coração, na fruteira da casa de uma amiga. É que mais uma vez, eu coloquei o meu coração naquele coração. Para mim, mais importante do que ir à loja e comprar algo, é investir o meu tempo, as minhas capacidades... a fazer algo... único, pessoal, e cheio de carinho.

Foto: Ana Filipa Oliveira

Madeira

Este coração e esta estrela foram feitos pelo Gui. Ele próprio serrou, limou e pintou. Ele ficou orgulhoso e eu babada. É tão bom quando a nossa árvore de Natal tem o nosso toque singular... quando a preparação do Natal nos desafia a actividades em conjunto... nas quais damos o nosso melhor. Mesmo que as linhas fiquem curvas, ou em zigzag... o momento, a recordação futura, alimenta-nos a alma e fortalece o nosso amor.

Foto: Ana Filipa Oliveira

Foto: Ana Filipa Oliveira

Papel

Quem é que não tem cartão velho em casa? Então agora com as encomendas a chegar todos os dias... são caixotes e mais caixotes. Há que reutilizar! Há que ser criativo! Mesmo que pareça infantil, imperfeito... Igual a esta árvores tínhamos mais duas. Enfeitaram as paredes da nossa casa. Depois uma delas passou a estar na porta de entrada da casa, como sinal de boas vindas. Agora já não moram por cá. Com a humidade da cave... lá se foram... mas outras ideias viram.

Adicionar legenda
Votos de uma óptima preparação para o Natal, repleta de criatividade e reutilização de materiais, e cheia de Faça Você Mesmo.

terça-feira, 13 de dezembro de 2016

|Natal| Rebuçados de Embrulho

Foto: Ana Filipa Oliveira
Eu gosto de fazer embrulhos. Aliás, não é a primeira vez que escrevo acerca do tema - Projecto 13# Embrulho Original. Gosto da diversidade de cores e motivos dos papéis, gosto dos laços, da fita cola às vezes cortada com os dentes, outras com a tesoura, gosto de dobrar, ou de inventar... gosto de rasgar ao abrir, ou aproveitar cuidadosamente o papel, do qual tanto gostei... mas na verdade, ocorre-me agora, que é um desperdício imenso... na noite de consoada, depois de todos os presentes abertos, é um saco enorme só com o papel de embrulho que vai para o lixo... ohhhh....
E se este Natal embrulhássemos os nossos presentes apenas com um abraço e um beijinho!? Ou em sacos reutilizáveis? (Sinceramente este não era inicialmente o caminho que iria levar este post, mas ao escrevê-lo, fui guiada para este pensamento. Desculpem, se estraguei a festa. Mas é verdade que podemos aprender a ser poupados nos recursos, até neste aspecto, não é?)

Foto: Ana Filipa Oliveira

sexta-feira, 9 de dezembro de 2016

|Receita| Bolo Rei

Aqui fica a receita deste Rei das mesas portuguesas no Natal... (a que uso, e aqui publico, faz parte do livro base da Bimby, mas é completamente adaptável.)

Foto: Ana Filipa Oliveira

Ingredientes:

  • 70 gr. açúcar
  • casca de 1 laranja e de 1 limão (sem a parte branca)
  • 130 gr. leite
  • 70 gr. manteiga
  • 3 gemas
  • 40 gr. fermento padeiro (ou 1 saqueta de fermento seco)
  • 20 gr. sumo de laranja
  • 400 gr. a 450 gr. farinha com fermento (previamente pesada)
  • 1 pitada de sal

Preparação:

  1. Coloque o açúcar no copo bem seco e pulverize 15 seg., vel.9.
  2. Junte as cascas dos citrinos através do bucal do copo e rale uns segundos na vel. 5.
  3. Adicione o leite e a manteiga e programe 30 seg., temp. 37°, vel. 6 e a seguir 30 seg., vel. 9 sem temperatura.
  4. Reduza para a vel. 3 e junte as gemas, o fermento e o sumo de laranja, misturando durante uns segundos.
  5. Deite a farinha pouco a pouco na vel. 3 através do bucal do copo e só no fim a pitada de sal; aumente para a vel. 9 durante 30 seg.
  6. Programe 3 mim., vel. espiga e verifique se o conteúdo forma uma bola que nao fique agarrada às paredes do copo. Se nao for o caso, pare a Bimby, polvilhe as paredes do copo com um pouco de farinha e volte a amassar na mesma velocidade.
  7. Deixe repousar a massa dentro do copo até esta levantar o copinho. Logo que isto aconteça, pressione a massa com as mãos de forma a que o volume baixe e volte a programar 15seg., vel. 9 e 1 min., vel. espiga.
  8. Retire a massa do copo, amasse com as mãos até formar uma bola lisa, polvilhando a mesma com farinha. Dê-lhe uma forma de uma rosca e coloque-a num tabuleiro previamente untado. Pincele a massa com gema de ovo e decore a seu gosto (frutas cristalizadas, secas). Pode também fazer montinhos de açúcar humidificado. 
  9. Deixe que a massa dobre de volume e a seguir coloque no forno pré-aquecido a 180° durante 20 min. 

quarta-feira, 7 de dezembro de 2016

|Natal| Sem estes não é Natal

... sem estes e outros tantos.

Biscoitos

Foto: Ana Filipa Oliveira 
Na Alemanha é uma tradição fazer-se biscoitos no final de Novembro para ter em casa e para dar. A primeira vez que contactei com esta "cultura do biscoito em tempo de Natal" foi através de uma amiga que vive há longos anos cá. Ela convidou-me, a mim e mais algumas amigas, para fazermos biscoitos juntas. Cada uma levava a sua massa já pronta ou semi-pronta, e depois colocávamos no forno. No final cada uma ficava com uma porção dos diferentes tipos de biscoitos. Era um momento de convívio, bem ao espírito da época.
O Guilherme, por sua vez, no infantário e na escola primária também tinha essa actividade. Numa das vezes foi especial: foram a um lar de idosos fazer com eles os biscoitos de Natal. Muito lindo! Deram-nos fotos desse momento, muito ternurentas! Gerações juntas é sempre fascinante e tem tudo a ver com a festa da família.
Portanto, actualmente esta tradição já faz parte do nosso Natal... ou preparação para ele.(Estes na foto foram de uma fornada na nossa casa.)

Bolo Rei

Foto: Ana Filipa Oliveira

Quando era pequena não gostava de comer Bolo Rei, ou melhor, gostava de o comer se a minha mãe retirasse as frutas cristalizadas. Quando trabalhei para a Vorwerk (agente Bimby) aprendi a fazer Bolo Rei. E sempre que o faço, não me decepciono. Ah, e já como o Bolo Rei com tudo o que ele tem.
(Ai está na foto uma das minhas obras!)

Filhoses

Foto: Ana Filipa Oliveira

Foto: Ana Filipa Oliveira
Os Natais da minha infância foram passados na Beira Baixa. Todas as noites de consoada, o ritual era o mesmo: fritar ao lume (lareira) as filhoses amassadas nessa tarde. Era um serão que eu vivia entre adultos: a minha mãe, a minha tia, a minha avó e, com sorte, o meu avô. Por isso estas filhoses são mais do que as próprias filhoses... são pedaços da minha história, são gatilhos para as minhas memórias... quando comemorámos o primeiro Natal em terras alemãs tentei replicar essas filhoses, mas saíram mais coscorões do que as filhoses da Beira Baixa. Mas no Natal seguinte foi bem conseguido. O chato da coisa é que fui que comi praticamente tudo. Ups!

Sonhos

Foto: Ana Filipa Oliveira
Não faziam parte dos meus Natais até que eles começaram a ter presente os sabores do Norte. Também a Aletria e as Rabanadas entraram no menu natalício.

Bacalhau

Foto: Ana Filipa Oliveira
Este não precisa de apresentações. É tradição! Primeiramente era eu que não gostava de bacalhau, até vir para a Alemanha e todos os sabores portugueses ganharem outro significado. Depois foi o Guilherme que começou a dizer que não gostava. Mas agora já come. E já sabe que Natal é sinal de "comer Bacalhau"... pelo menos na nossa casa.

Qual é o teu top de "sem estes não é Natal"?
Deixa-o nos comentários. E tem um óptimo Natal.

segunda-feira, 5 de dezembro de 2016

|Advento| Cheio de Coisinhas

O primeiro que comprámos foi de chocolate. Em Portugal não tínhamos a tradição de ter um calendário do advento. E na verdade quem o tem tido é o Guilherme.


Depois do de chocolate veio o dos saquinhos com vários pequenos presentinhos. O problema é que ele chegava aos sacos e rapidamente viu o que cada um tinha, do princípio até ao fim. Ou seja, o efeito surpresa perdeu-se. Comecei então a colocar o presente no próprio dia.


O que é que eu coloquei lá dentro? Borrachas, afias, bonecos Playmobil... andei de loja em loja a ver se encontrava objectos pequenos e apelativos.


Para ser sincera, ele não achou muita piada. No final tinha um monte de pequenas coisas, mas que não o entusiasmavam grandemente. 


Este ano já é o segundo ano que ele tem um calendário do filme Star Wars, produzido pela Lego. Cada dia abre uma janelinha e tem um pacote com peças para montar.


E este ele acha piada. Claro que os calendários têm de estar adequados à idade da criança. Ah, mas também existem calendários do advento para adultos.

Foto: Douglas
Aqui está um exemplo de calendário para mulher, que gosta de maquilhagem. [Não, eu não tenho nenhum calendário.]

domingo, 4 de dezembro de 2016

|Natal| Em Cada Esquina

Em cada janela espreita o espírito natalício.

Foto: Ana Filipa Oliveira

Em cada fachada brilham luzes e há motivos decorativos que nos lembram em que época do ano estamos.

Foto: Ana Filipa Oliveira
Uma estrela, ou um Pai Natal, ou sinos a tocar... o que importa é espalhar esta alegria de celebrar a festa da família.

Foto: Ana Filipa Oliveira
E o primeiro presente de Natal, daquele que anda pela rua, é esta alegria partilhada em cada janela.

Foto: Ana Filipa Oliveira
Há um investimento pessoal daquele que decora assim a sua casa... que preenche com pormenor a vidraça, que adorna a rua de dentro para fora.

Foto: Ana Filipa Oliveira
Das (já) sete vezes, que vivemos esta época no país que nos acolhe, foram poucos os flocos de neve por esta altura. Mas o frio, esse sim, é forte. E estas luzinhas, cortes e recortes, aquece-nos a alma, quando andamos pelas ruas da cidade.

Foto: Ana Filipa Oliveira
Foto: Ana Filipa Oliveira
No final de Novembro já se começa a ver estas decorações. E quanto mais se aproxima o Natal, mais e mais luzes brilham nas fachadas das casas e prédios. Mais e mais bonecos e pormenores povoam os vidros...


Foto: Ana Filipa Oliveira
Uns apresentam-se mais simples, outros mais elaborados...

Foto: Ana Filipa Oliveira
E as montras das lojas também contribuem para esta festa.
Foto: Ana Filipa Oliveira
Em cada esquina espreita o Natal e ninguém fica indiferente.
(E isto faz-me lembrar que o nosso contributo ainda está na cave 😏)

sábado, 3 de dezembro de 2016

|Advento| Amanhã é a Segunda

É a segunda vela a ser acesa.
Até vir para a Alemanha desconhecia esta tradição: acende-se uma vela por cada domingo de advento. Este ritual lembra-nos quão perto estamos do Natal. Quando a quarta estiver com a sua chama a brilhar, é sinal de que o esperado dia está a bater à porta.

Foto: Ana Filipa Oliveira

Existe milhentas maneiras de apresentar essas quatro velas, conforme o gosto e carteira de cada um. No final o que conta é entrar no espírito acolhedor da época natalícia. E amanhã já é a segunda vela a ser acesa. Falta cada vez menos dias para comemorarmos a chamada festa da família.

Foto: Ana Filipa Oliveira
Que seja uma celebração calorosa como a chama brilhante e quente destas velas. Bom Natal!
© A Mulher do 31 - 2016. Todos os direitos reservados.
Criado por: Ana Oliveira.
Tecnologia do Blogger.
imagem-logo