segunda-feira, 21 de agosto de 2017

|Blogging| Os 3 Blogs com Mais Posts deste Verão

Desde o final de Junho que deixei de ler os post assinalados pelo meu RSS Feed Reader. Meteram-se os preparativos para as férias, as próprias das férias e o regresso das férias. Com vários acontecimentos pelo meio, ainda não tinha aberto a lista, que já estava perto dos 1000 posts não lidos no total.

Por curiosidade comecei a comparar o número de publicações feitas por cada blog da minha lista. Posso apresentar-vos em primeira mão os três blogs com mais posts deste verão:

1. Não é de admirar o sucesso do às nove no meu blog. Se o conteúdo toca a muita gente, por outro lado a frequência de artigos publicados também chamada a mais visitantes. Ora, desde 29 de Junho, a autora escreveu 92 posts, o que dá uma média diária de cerca de 2 a 3 posts. Todos os dias da semana, Sofia Castro Fernandes traz aos seus leitores mensagens inspiradoras, que servem de consolo em momentos menos bons e de motivação para ir mais além. No Facebook conta com 312 502 Gosto no seu perfil.

Fonte: Blog às nove no meu blog


2. Ana Marta Veloso é a cara por detrás do Essenciais por Marta V, um blog dedicado sobretudo a beleza, moda e maquilhagem, que conta com 60 826  Gosto no Facebook.  É certo que fica muitíssimo longe do número apresentado pelo famoso às nove no meu blog, mas é de prestar atenção ao trabalho que é desenvolvido para alcançar este grupo de pessoas que gostam do seu perfil. Desde 26 de Junho, Marta publicou 74 posts, o que dá uma média diária de 1 a 2 artigos publicados.


Fonte: Blog Essenciais por Marta V



3. Entre Biberons e Batons trata-se de um blog dedicado à maternidade, escrito por Sofia, mãe de dois rapazes. A autora deste caderno online publicou desde 5 Julho cerca de um post por dia, o que totalizou neste período 52 posts. Se aparentemente parece pouco comparado com o vencedor deste ranking, é realmente já qualquer coisa. E isso reverte-se em 25 039 Gosto no perfil do seu blog no Facebook.

Fonte: Blog Entre Biberons e Batons
Os meus parabéns não só a estas bloggers como a todas(os) outras(os) que conseguiram durante o verão manter o seu ritmo de actividade na blogosfera. Aparentemente parece coisa fácil, mas com a chegada do bom tempo vem o lazer que tanto se deseja ao longo do ano e acaba-se por descuidar na periocidade do blog, com os efeitos adversos que isso tem para a popularidade do mesmo.

A Mulher do 31 | Blog | Facebook | Instagram | Twitter |

quinta-feira, 17 de agosto de 2017

E o Fogo... à distância do coração

Por volta da meia noite, antes de ir para a cama, entro no Facebook... e de repente o sono vai embora.

A aldeia (freguesia, dizia sempre o meu avô) onde cresci (aos fins de semana e férias grandes, daquelas de três meses) está a arder. Digo asneiras. Ligo à minha mãe que lá está, no cabeço, com a minha avó. Calma, diz-me que está atenta às notícias... e um dos vizinhos já a veio alertar para tirar o carro, do local onde está, e para não dormir, para molhar tudo à volta. O fogo está a chegar.

"E a minha tia que está no lar!?", penso.

Caramba, mais umas publicações, e o coração começa a acelerar.

Mando uma mensagem ao meu irmão. Nada. Mando à minha sobrinha... ligo ao meu irmão. E ele também calmo, tenta acalmar-me. E as lágrimas vêm. A voz prende-se. "Então, mas o que é que se passa?!", pergunta-me. E com o som das palavras ainda preso lá digo que é o medo, a certeza de que nada posso fazer. Ele desliga para saber como as coisas estão. E volta-me a ligar. Serena-me... e lá acabamos por rir. Desligo.

E mais uma fotografia e mais um comentário... e eu não consigo sair do computador. Às vezes a ignorância seria tão melhor!

Entretanto já tinha mandado uma mensagem a um dos amigos da rede social que havia partilhado uma foto. Ele também tranquiliza-me, e diz que estão a apagar os fogachos atrás do lar onde a minha tia está. A seguir, por outro contacto, fico a saber que os bombeiros e a polícia já lá estão.

E vou fazendo refresh a seguir de refresh aos feeds para receber a mais pequena das informações... Já passou mais de hora e meia nisto... Ligo a TVI 24 pela internet e procuro que informem acerca do estado do fogo que desce para a aldeia da minha infância.

Há menos de um mês que a meio da noite eu e o meu irmão fomos buscar a minha mãe, que estava sozinha na aldeia, sem transportes para regressar a Lisboa, que os comboios não circulavam e a A23 estava cortada, porque o fogo andava em Mação.

Continuo nesta loucura à procura de informação e recebo a notícia que existe outro fogo que vem sobre a aldeia, mas de outra direcção, a partir de uma aldeia vizinha. E quase duas horas da manhã... um habitante da aldeia faz um directo... dantesco.

Volto a ligar à minha mãe. Continua calma, embora confirme que estão rodeados.

Lá me convenço que daqui não posso valer em nada e o facto de ficar ligada à internet não me traz coisa boa. Vou para a cama. Ainda passo mais uma vez os dedos pelos últimos post do Facebook... novo directo... o ruído impressionante do lume a levar tudo à frente; o vento que sopra sem destino, nem travões; o estalar das canas a queimar... as pessoas a gritar, a mexerem-se como loucas, para acudir aqui e acolá.

Tenho de dormir. Os meus dois filhos não sabem de nada, dormem serenos... e amanhã irão precisar de mim. Custa-me a adormecer, mas lá consigo. E o fogo continua a arder. Os da terra não dormem. Os bombeiros não descansam. E a noite para eles será sem fim.

Obrigada a todos aqueles que se entregam a fazer o bem nesta hora de aflição.

Foto: Lusa/ Paulo Cunha

A Mulher do 31 | Blog | Facebook | Instagram | Twitter |

terça-feira, 15 de agosto de 2017

|Blogging| 40 Sites de Imagens Gratuitas de Alta Qualidade

Foto: Pexels.com

Todos sabemos como as imagens têm um lugar importantíssimo nos nossos dias. Hoje todos querem fotografar, todos querem publicar fotografias, e "lê-se" mais o que tem imagens do que o que aparece só com caracteres.

Quem publica material de qualidade tem sempre vantagem. A qualidade chama a atenção. No entanto num blog relevante é ainda que tenham relação com o conteúdo do texto que se apresenta, caso contrário criará ruído na comunicação, o leitor ficará confuso com a mensagem que o blogger pretende passar.

Por isso escrevo este post... para vos indicar 40 sites onde podem descarregar imagens gratuitas de alta qualidade de diversos temas. Atenção! Há que respeitar as licenças de uso de cada imagem, o que revela respeito pelos direitos de autor. Nestes endereços electrónicos encontrará muitas fotografias que pode utilizar sem qualquer restrição.

A imagem que ilustra esta mensagem é de um desses sites. Se conhecem outros, se habitualmente usam outros, deixem no campo dos comentários. Vai de certo enriquecer este post.

Toca a surfar em:


1.      Freeimages.com

2.      Fancycrave.com

3.      Foodshot.co

4.      Getrefe.com

5.      Glyphs.co

6.      Gratisography.com

7.      Imcreator.com

8.      Jaymantri.com

9.      Kaboompics.com









18.  Skuawk.com


















36.  Flickr.com


38.  Pexels.com




A Mulher do 31 | Blog | Facebook | Instagram | Twitter |

terça-feira, 1 de agosto de 2017

|Mães Felizes| 4 Passos para Viver com Esperança

Foto: Kaboompics.com
E, pronto, chegámos ao destino. Numa viagem pelo livro "Os 10 Hábitos das Mães Felizes" já há alguns meses, hoje aterramos no hábito que fecha este manual escrito por Meg Meeker. O décimo hábito diz-nos: "Não perca a esperança". E como fazer isso? Aqui vos deixo os 4 passos descritos pela autora.

  1. Cultive uma atitude de apreço: desenvolver gratidão pelo que se tem torna-se essencial. Não estar sempre na esperança de ter mais (embora isso possa vir a acontecer), mas ser agradecida pelo que se tem... mostra-se vital para que possamos viver com esperança. Afinal se já vos acarinhados com tanta coisa, no futuro provavelmente isso também acontecerá. Recuse-se a queixar. Reconheça aquilo que já tem e agradeça por isso.
  2. Aprenda a confiar: ter esperança sem confiança em algo ou alguém parece um pouco ridículo, não acha? Mas confiar de forma cega pode trazer-nos dissabores. Aprenda a confiar, conhecendo aquele em que confia. Se souber até que ponto, e em que campos, poderá confiar nessa pessoa, então provavelmente não será desiludir. Viver de forma independente é bom, mas pode criar a ilusão, por outro lado, de que não precisamos de ninguém. Desengane-se.
  3. Espere que aconteçam coisas boas: ter um pensamento positivo acerca do que há por vir atrai coisas boas. Como isso funciona? Para alguns é Deus que os abençoa, para outros é o Universo que responde à sua atitude... Não se desiluda se demorar a receber o que deseja. Isso só significa que ainda não chegou o tempo certo, e que terá de treinar ainda mais a sua esperança. Não abra mão dela.
  4. Conteste o seu pensamento: temos tendência para o queixume, para o lamento, para a má disposição, para os pensamentos negativos, até para a depressão. Tudo isto bloqueia a chegada de uma vida alicerçada na esperança. Para vivermos essa vida há que afastar esse modo de estar perante nós, os outros e os acontecimentos. Decida-se por pensamentos positivos e verá que o mundo ao seu redor floresceu (a partir do seu interior).

Desejo do fundo do coração que a leitura destes artigos acerca do livro "Os 10 Hábitos das Mães Felizes" tenha sido tão agradável para si quanto foi para mim. Mas não vamos ficar pela leitura, pois não? Há que colocar na prática. Estou certa que assim alcançaremos vidas muito mais cheias de boa disposição... não apenas para os filhos, mas para tudo e todos ao nosso redor.

Como gostei tanto deste formato de post decidi-me por lhes dar continuação. A próxima viagem será pelas páginas de um livro que Meg Meeker citou na obra que acabámos de ler: As Cinco Linguagens do Amor, de Gary Chapman. O livro original As Cinco Linguagens do Amor deu lugar às mesmas para Famílias, para Adolescentes, para o Perdão... iremos abordar em especial para famílias.

terça-feira, 25 de julho de 2017

|Mães Felizes| Seja Dona da Sua Vida

Foto: Splitshire.com/
A mãe e pediatra Meg Meeker partilhou, com milhares de leitoras espalhadas pelo mundo, os segredos para uma vida (como mães) mais prazerosa. Compilou tudo num livro intitulado "Os 10 Hábitos das Mães Felizes". A Mulher do 31 tem vindo, às terças feiras, a escrever sobre cada um desses hábitos. Quem só agora entra nesta viagem pode sempre ler os textos anteriores da série | Mães Felizes | e continuar connosco. Hoje vamos abordar o nono hábito: Seja Dona da Sua Vida.

Talvez algumas de nós encarem esta questão como se isso revelasse egoísmo da nossa parte. Muitas de nós, acredito que foram ensinadas a pensar mais nos outros do que em si próprias. Por isso quando pensam em tomar a liderança da sua vida, cria-se um certo atrito interior. Mas, desiluda-se, ser dona da nossa vida é tomar as rédeas dela com liberdade e consciência... o que em nada se opõe a continuarmos a pensar nos outros.

Contudo para segurarmos o volante da nossa vida há que fazer um trabalho interior, que Meg Meeker resume em quatro passos:
  1. Decida viver das suas forças, não das fraquezas: diminuirmo-nos e lamentarmos retira-nos energia, e desconecta-nos do nosso centro. Quando não estamos em sintonia connosco próprias torna-se difícil que consigamos ser responsáveis e conscientes das nossas escolhas diárias. Ou seja, acabamos por nos deixar levar pelas circunstâncias, pelos palpites dos outros... portanto, o primeiro passo para reverter esta situação, é conhecermo-nos, sabermos o que somos, e focarmo-nos nas nossas qualidades, as forças do nosso carácter.

  2. Diga sim ou diga não, mas diga o que pensa: muitas de nós temos tendência para dizer sim a tudo, mesmo que a vontade fosse dizer o contrário. Existem as do contra, que preferem dizer não a tudo. Mas em geral acho que a educação ocidental levou-nos a concordar como forma de respeito. Desengane-se. Respeitar o outro é ser verdadeiro com ele. Respeitar-nos a nós, é sermos honestas connosco mesmas. Também existe outra tendência clara no nosso meio... quando temos de dizer algo que não vá de acordo com as expectativas do nosso interlocutor, justificamo-nos até à exaustão. Não fazemos isso frequentemente com os nossos filhos?! Este segundo passo pede-nos que digamos o que pensamos, e mantermo-nos serenas, sem discursos justificativos, nem pedidos indirectos de desculpa pela nossa honestidade. Isso vai fazer com que nos levem cada vez mais a sério, inclusive os nossos filhos.

  3. Diga a verdade - sempre: os segredos ou as omissões e as mentiras são traiçoeiros. Num primeiro olhar parece que nos ajudam, mas lá no fundo passam-nos a perna. Por um lado, quando omitimos ou mentimos, sabemos que o estamos a fazer. Logo aí a nossa consciência começa a ficar pesada, e a nossa atitude para com o outro não é mais autêntica e transparente. Por outro lado temos de andar cautelosas para não desmascarar a mentira ou a omissão... e isso requer muita atenção e cuidado da nossa parte. E mais, quando começamos a mentir, dificilmente podemos continuar a história apenas e só com a verdade. Quero com isto dizer, que as mentiras são como as cerejas: umas atrás das outras, uma pequena puxa uma maior. E os nossos filhos, que assistem a esta nossa atitude!? Seremos um bom exemplo!? Poderemos chamá-los a atenção quando nos mentirem ou omitirem!? Por isso, e por mais que nos doa a nós e/ou aos outros, opte sempre pela verdade.

  4. Controle a sua culpa: se queremos ser donas das nossas vidas não nos podemos deixar dominar por culpa, pois, caso contrário, será ela a dona da nossa vida. Existe um sentimento que podemos chamar de "culpa verdadeira" que nos alerta para actos que não foram realmente correctos da nossa parte. Normalmente esses actos têm consequências penosas para nós ou para os outros. E foram feitos com consciência. A "culpa falsa" é o oposto. São casos que criámos na nossa cabeça, mas sem grande fundamento. Esta culpa vive da suposição... "talvez se eu tivesse feito isto, então teria acontecido aquilo. Mas porque é que eu não me lembrei!?", reconhece este tipo de diálogo. A culpa falsa retira-nos ânimo e ocupa-nos muito tempo... a remoer. Se estiver na dúvida acerca do tipo de culpa, fale com uma amiga, um familiar ou um terapeuta. Peça-lhe opinião e tome as decisões que tiver de tomar - para arrumar esse assunto sem raízes verdadeiras, como acontece na culpa falsa; ou para concertar os estragos reais da culpa verdadeira. Mas tome o controlo da sua vida.
Pois é, na próxima terça feira já chegamos ao fim desta série, que tanto prazer me tem dado partilhar com vocês. O décimo hábito intitula-se: Não perca a esperança. E não vamos perder, pois não? 


A Mulher do 31 | Blog | Facebook | Instagram | Twitter |

quinta-feira, 20 de julho de 2017

|A Mulher do 31| Chega ao Fim

Foto: Google Fotos

Ao longo de várias semanas, depois de 21 posts, chega ao fim a série |A Mulher do 31|. O blog permanece, com novas séries - dedicadas à mulher, à mãe, às famílias. Com este post quero dizer-te quem é a verdadeira Mulher do 31, que inclusive deu nome a este blog. Não é a mulher que mora na porta 31; nem que casou com um homem cuja alcunha era 31; nem a mulher que ia sempre sentada no último banco do autocarro 31, no lugar junto à janela... Eu nunca vi A Mulher do 31. Nunca a vi em carne e osso. Não a conheço, por assim dizer. Mas dedico-lhe este espaço, este local virtual.

"Ora, mas então como tomei conhecimento dela? Porque é que ela se chama assim? Quem é a Mulher do 31?" são perguntas que devem estar a povoar a tua mente. E digo-te que quando souberes vais ficar admirada... ou talvez desiludida.

A Mulher do 31 não é moderna. A Mulher do 31 não é do povo. Com a Mulher do 31 não é fácil de lidar. A Mulher do 31 coloca-nos, por vezes (e por nossa opção), deprimidas e desiludidas, sobretudo com a nossa pouca perfeição, isto se a tomarmos (de um modo pouco positivo) como exemplo para as nossas vidas.

Agora é que é. A Mulher do 31 é modelo. Não como a Sara Sampaio e as outras "anjos" da passarelle. É um modelo de mulher para um rei. Um modelo feito a partir dos conselhos de uma mãe a um filho. Um modelo baseado no que uma mãe ensinou a um rebento sobre aquela que seria a mulher adequada para ele. Qual não é a mãe que sonha com um óptimo casamento para o seu filho!?

Num livro muitíssimo antigo, e em muitos países vendido (em todos, quase que diria) e traduzido em muitíssimas línguas e linguagens... aparece um grande capítulo dedicado às coisas da vida. A encerrar esse capítulo apresenta-se a mulher ideal para o rei Lemuel.

Esse livro é para muitos (para mim também) para lá de precioso... e os seus conselhos são altamente importantes para qualquer vida. Se abrires a Bíblia, que enfeita a estante da tua casa, e a abrires no livro de Provérbios, no capítulo 31 (por isso o 31) e começares a ler a partir do versículo 10, poderás conhecer em primeira mão a mulher que lhe chamam: a mulher virtuosa... e que eu chamo A Mulher do 31.

Se antes ela incomodava-me pelas suas características... hoje gosto muito dela pelas mesmas razões. A Mulher do 31 não é uma forma na qual eu (ou tu) tenho de passar... é antes uma amiga inspiradora. E é isso que eu gostaria de ser também para ti, através deste blog: uma amiga inspiradora.

Agora, fico curiosa: de onde pensavas que tinha vindo, para este blog, o nome A Mulher do 31?


A Mulher do 31 | Blog | Instagram | Facebook

terça-feira, 18 de julho de 2017

|Mães Felizes| Como Dar e Receber Amor

Foto: Pixabay.com
Há quem ache que o amor é um sentimento e que por isso não se pode aprender a amar, ou a aprender a receber amor. Este capítulo do livro "Os 10 Hábitos das Mães Felizes" mostra-nos que sim, é possível amar bem, amar melhor, amar com ordem, amar e receber amor de um modo mais saudável, e feliz. Meg Meeker é mãe e pediatra, e escreveu este livro para ajudar as mães a terem mais prazer na maternidade. Mas os seus ensinamentos adequam-se perfeitamente a qualquer pessoa... mãe, ou não.

Para que possamos aprender a dar e receber amor saudavelmente, a autora desenhou o que são os quatro campos em que nos devemos focar... (Este é o oitavo hábito da lista dos 10. Os anteriores podem ser lidos AQUI.)

  1. Corra riscos calculados: quando tomamos as rédeas da nossa vida, quando nos responsabilizamos pelas nossas decisões... estamos a dar-nos uma voz forte. Essa voz forte requer que corramos riscos, pois muitas vezes teremos de ser nós a tomar a iniciativa, a dar o primeiro passo e, sobretudo, a caminhar para a solução. Resolver os nossos problemas relacionais torna-se fundamental para que possamos amar saudavelmente. E isso é nossa tarefa assim que nos assumimos como líderes das nossas vidas. Ficar à mercê do tempo, dos outros e de qualquer coisa fora do nosso campo de acção é desresponsabilizarmo-nos. Por isso, se tem um problema, resolva-o. Se não consegue sozinha, procure ajude. Mas não fique passiva a ver a vida (e o amor) a passar.
  2. Não leve os seus entes queridos tão a peito: uma das dificuldades que todos nós temos, quando estamos muito ligados a alguém, é discernir as razoes profundas que estão por detrás dos seus actos (menos simpáticos) e agir sem que personalizemos isso. Provavelmente esses actos são o resultado de algum acontecimento do seu dia, ou um aspecto do seu carácter. Por exemplo, se o seu marido tem dificuldade, e faz comentários menos simpáticos, porque você gosta muito de falar ao telefone com as suas amigas, já pensou se não será que essa sua atitude desperte nele questões pessoais com as quais ele não sabe lidar!? Talvez ele seja uma pessoa introvertida e que gostasse até de ter a mesma atitude que você, mas não consegue, e por isso reage assim!? Ver o que poderá estar na raiz desses comentários, faz-nos levar menos a peito os nossos entes queridos.
  3. Aprenda a interpretar aqueles que ama, e deixe que a interpretem: cada um de nós tem uma maneira de falar. Estou certa que reconhece algumas expressões que são típicas dos seus filhos. E você mesma também terá as suas. No amor dá-se exactamente o mesmo. Os seus filhos terão um modo específico (ou vários) de expressar o seu amor (sem palavras). E o mesmo acontece consigo. Já pensou sobre isso? Nem todas as pessoas se sentem amadas pelos mesmo actos. Talvez eu me sinta amada quando o meu marido me escreve um postal. E você poderá sentir-se amada quando o seu lhe oferece jóias. Já por sua vez o seu marido, se receber jóias da sua parte, poderá não sentir tal acto como revelação do seu amor. Para descodificar quais são as linguagens de amor de cada um na sua família - onde também está incluída, irá tornar-se uma detective. A observação será a ferramenta de trabalho primordial. Depois do caso resolvido, abre-se espaço para testes. Experimente falar a linguagem de amor dos seus, e sinta-se à vontade para partilhar a sua.
  4. Manifeste amor mesmo quando não o sente: às vezes a rotina dos nossos dias leva-nos para longe do amor. Aos poucos vamo-nos afastando. Quando nos damos conta, criámos um muro frio entre nós. E depois para ultrapassar essa barreira requer-se esforço... da nossa parte, porque somos líderes das nossas vidas. Mas, claro, também da outra parte. E se não chegássemos a este ponto!? Mesmo nos dias que não sente a chama acesa, não fique parada. Seja dona da sua vida. Alimente o amor. Até nos dias em que o seu marido, por exemplo, a aborrece por qualquer motivo, ame-o. Como? Foque-se nas qualidades dele. Afaste do seu pensamento o que sentiu como negativo da sua parte. Decida-se por amá-lo. Não fique ao sabor das circunstâncias. Tome a decisão clara de o amor, no bem e no mal.

Estou convicta de que, ao lermos estes conselhos, nos sentimos perante uma montanha intransponível. Mas lembre-se que a fé move montanhas. Se acredita no poder da vida e do amor, esteja certa que é capaz. Claro que muitas vezes faremos diferente, e isso nos irá soar como errado, como uma falha nossa. Desengane-se. Errado seria não tentar... não prosseguir para lá da falha.

O nono hábito aborda a questão de sermos líderes das nossas vidas. Na próxima terça feira vamos conhecer o que Meh Meeker nos tem a sugerir para aprendermos a viver deliberadamente. 

A Mulher do 31 | Blog | Facebook | Instagram | Twitter |

quinta-feira, 13 de julho de 2017

|A Mulher do 31| O Nosso Investimento na Vida

Foto: Pixabay
De certo que tens dias em que estás cansada... estás desesperada.... que perdes o controlo das coisas... a casa... o trabalho... os miúdos... o casamento... os familiares... os amigos... e e e e e Mas depois há outros em que olhas para tudo isso e pensas: como sou grata por tudo o que tenho.  Será que mereces o que tens? Semeaste isso? Ou estás a colher frutos alheios?

Mesmo nos dias mais cinzentos, mesmo nos dias mais trabalhosos, mesmo nos dias mais pesados, mais tristes, mais sofridos... crê. As nuvens vão passar e terás o sol a iluminar-te... a trazer à luz o resultado do teu investimento na vida.

A Mulher do 31  é recompensada por tudo o que faz. A Mulher do 31 recebe os frutos do seu trabalho. A Mulher do 31 é elogiada pelos seus feitos.  A Mulher do 31 é conhecida pelos seus actos virtuosos. A Mulher do 31 vê as suas obras reconhecidas publicamente.

Quem não sabe quem é a verdadeira Mulher do 31, ficará a saber em breve... na próxima quinta feira. Ainda não sou eu! Mas é exemplo para mim.


Segue A Mulher do 31 (@amulherdo31) também no Instagram e no Facebook.
© A Mulher do 31 - 2016. Todos os direitos reservados.
Criado por: Ana Oliveira.
Tecnologia do Blogger.
imagem-logo