terça-feira, 28 de fevereiro de 2017

Terça-feira Gorda

Foto: Instagram-User msmarron in room5.trivago.de
Lentamente começa a chegar ao fim esta época festiva. E, depois da festa, a alegria não é a mesma. Lembro-me de uma expressão que ouvi várias vezes: "Para onde vais? Vou para a festa (com um ar e tom sorridente e entusiasmado). De onde vens? Venho da festa (com um ar e um tom deprimido)". Assim é com o Carnaval. Muitas associações começam agora os seus rituais de despedida, com cerimónias melancólicas. Algumas entregam de volta a chave da câmara municipal, outras levam simbolicamente as bruxas, os espantalhos e os demónios para a campa, ao som de músicas de lamento.
Na cidade onde cresci (portanto, em Portugal) há uma colectividade que organiza o Enterro do Entrudo. Eu recordo-me de ir com a minha mãe, ainda criança, num desses cortejos. Na frente ia um espantalho pendurado em paus, e as pessoas iam todas atrás com roupas escuras, e dizendo algo que não me recordo. Tenho uma vaga ideia de pararmos em frente de um dos cafés da estação e ser dito algo. Em dado ponto, o cortejo parou e alguém fez um sermão... era o momento de enterrar o Entrudo, ou melhor, o espantalho. Calculo que seja algo semelhante o que se passa em algumas regiões da Alemanha neste dia. E estou certa que em algumas partes de Portugal continua a ser assim.


Segue A Mulher do 31 (@amulherdo31) também no Instagram e no Facebook.

Sem comentários:

Enviar um comentário

© A Mulher do 31 - 2016. Todos os direitos reservados.
Criado por: Ana Oliveira.
Tecnologia do Blogger.
imagem-logo