sexta-feira, 10 de fevereiro de 2017

|Parentalidade| Tarefas do Lar = Trabalho de Equipa

Cuidar da despensa não é para mim coisa fácil. (Em geral, o trabalho doméstico é uma tarefa complicada para mim. Mas cada dia torna-se menos, e muito mais prazeroso.) Sou daquelas mulheres que precisa de listas para não se desorientar. Rapidamente me esqueço do que é preciso comprar... e sair diariamente para ir às compras, sinto como um grande esforço (desnecessário), ainda mais agora com uma bebé e morando num prédio sem elevador. Sei que isso é de pessoa para pessoa. Há mulheres que fazem do ir às compras um ritual diário, do qual não prescindem. Eu aprecio essas mulheres... e fico fascinada com aquelas que ainda trazem flores para adornar a casa. (Sou péssima com plantas e companhia. Até à data nenhuma sobreviveu cá em casa!) Acho bonito! Acho amoroso!
Outras das minhas fraquezas como dona de casa é receber... sou desajeitada e acaba sempre por faltar algo, por a mesa não estar lá um grande espectáculo... e para receber, também há que servir... os meus bolos saem maioritariamente enqueijados ou secos... Mas tenho gosto de conviver e estar com amigos e amigas num lugar tão íntimo como as nossas casas. Talvez pelas minhas fraquezas como doméstica acabo por não o fazer com frequência. E das vezes que faço tenho que me convencer com um diálogo interno: "As pessoas vêm cá por ti, não é pela tua casa, ou o que possas oferecer." e isso dá-me paz.
Antigamente essas tarefas faziam apenas parte do círculo feminino. Os homens eram educados para serem servidos, como lordes... eles não viam o que faltava na despensa, não iam às compras, não compravam flores, não eram cicerones nos convívios no lar, não iam para a cozinha preparar refeições, bolos e afins para os de dentro, muito menos os de fora... E a mulher que não soubesse fazer isto (e muito mais) e que não o fizesse bem, era achincalhada. Mas este antigamente ainda tem repercussões nos dias de hoje. E é aos poucos que as mentalidades se mudam... as nossas primeiramente. E depois as deles... eu, como mãe de um menino, sou responsável por essa tarefa. Eu como esposa, sou responsável por essa tarefa. O meu marido, como marido e pai, também é responsável por essa tarefa. Ou quererá qualquer homem, por exemplo, ver a sua filha a ser empregada a dias - todos os dias do ano, doméstica sem descansado, dona do lar don't stop da própria casa, da sua família!? 
Eu desejo que tanto o meu filho, como a minha filha, saibam cuidar da casa. De preferência melhor do que eu! Vejo-os, na época da faculdade, a cuidarem das suas coisas com primor e felicidade. Anseio para eles lares felizes, onde ambos partilhem as tarefas domésticas com os seus parceiros, como um trabalho de equipa. Serei feliz de os ver num casamento, e num ninho, onde haja harmonia e paz ao fazerem as refeições em conjunto, sorrisos e gargalhadas ao limpar a loiça juntos, lutas de almofadas ao arrumar a cama... Para isso, a tarefa mais árdua e mais preciosa que tenho hoje é de educá-los - em exemplo e em palavras.



Se o faço? Dou o meu melhor, mas estou permanentemente em obras! Nunca seremos perfeitos, e acabados.


Segue A Mulher do 31 (@amulherdo31) também no Instagram e no Facebook.

Sem comentários:

Enviar um comentário

© A Mulher do 31 - 2016. Todos os direitos reservados.
Criado por: Ana Oliveira.
Tecnologia do Blogger.
imagem-logo