Avançar para o conteúdo principal

|Dia dos Namorados| Comunicação... mas Falhada

Aquele cachecol ficou pequeno e talvez imperfeito. Aquele gorro talvez ela nunca tenha usado. E o xaile, esse ficou para mim. Fiz estas e outras peças em malha e ofereci. Ofereci como prenda. E talvez quem tenha recebido tenha olhado para as imperfeições, e não tenha visto aquilo que era invisível aos olhos... o meu amor, a minha dedicação, a minha entrega... um pedaço de mim... várias horas do meu tempo... Era tão mais fácil ir à loja e comprar. Pegar em algo já feito, com um preço de mercado, embrulhar e dar. Mas, para mim, não sabia à mesma coisa... sabia a presente despido de quem o dá. 
A ele ofereci um e a ela outro. Nunca os vi nos seus quartos ou noutra divisão da casa. Se calhar não gostaram... não combinava com o restante... não tinha utilidade... mas estava carregado do meu carinho, do meu investimento pessoal, da minha criatividade, de um retalho da minha alma. Fi-los em barro. Comprei-o cru e moldei-o levada pelo espírito que me guiava. E no final descansei, porque achei que o que fiz era bom. E alegrei-me de poder oferecê-lo... a quem eu queria bem. 
Criar algo a partir da matéria prima, colocar as nossas mãos ao serviço, e fazê-lo com boa vontade, gosto, prazer, alegria... faz que o trabalho, que isso dá, se esfumace, desapareça... ficamos apenas leves e encantados com o processo. E com a esperança que aqueça o coração de quem o irá receber.
Às vezes aquilo que nós oferecemos aos outros, eles não têm necessidade, não querem, ou não percebem a dimensão do que lhes damos. E isso, não é erro dos outros. Por vezes entregamo-nos por completo de uma forma que não diz nada ao outro. Isso é comunicação... falhada.
Ocorre-me agora que a euforia interior que sentia ao fazer estes presentes e entregá-los, era como o de uma criança que quer alegrar a sua mãe - "Vês o que fiz para ti? Não está tão lindo?". Quem sabe, se quando estamos a procurar alegrar os outros, e eles não se alegram, não signifique que estamos a colocá-los - inconscientemente - no lugar de outra pessoa. Quando queremos alegrar uma pessoa com uma prenda, pensamos nela, no que ela gosta, no que ela precisa, no que combina com as suas coisas... e isso a alegrará. Se não alegra, pensámos noutra pessoa, mesmo que tenha sido apenas uma rasteira invisível da nossa mente.
Vem aí o Dia dos Namorados... já se fala disso na net... quer comprem, quer façam, pensem bem...

Foto: Ana Filipa Oliveira

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Vencedores e Vencidos - Blogs do Ano 2017

A minha curiosidade recaía sobretudo na categoria Família. Pelo segundo ano que Cocó na Fralda está no trono. (Parabéns! )Pelo segundo ano que Dias de Uma Princesa vai à luta com uma das meninas do The Woffice... e perde.
Li para aí, na esfera dos blogs, duras críticas a este concurso, como também algumas dores de cotovelo e um outro tanto de comentários. Que Sónia Morais Santos, Ana Garcia Martins e Catarina Beato têm o jornalismo em comum... e que os Blogs do Ano são levados a cabo pela empresa Media Capital pode parecer uma relação já por si pouco neutra, mas sejamos sinceros: tanto estes blogs e bloggers, como todos os outros que foram a votação, são blogs com muito trabalho investido, muitos anos de existência e muita visão de blogging.
Digamos que estes jogam na primeira liga do campeonato, depois existem outros bons, mas ainda ao nível da segunda e terceira. Se queremos jogar as partidas mais desafiantes do campeonato temos de treinar para isso, com um óptimo treinador e um ex…

Blogging e Social Media em 2017

O blog, por si só, já não é suficiente. Há uns 14 anos atrás escrevia num blog e as pessoas iam visitá-lo directamente... eram familiares, amigos, conhecidos ou desconhecidos, que de um modo ou de outro, tinham tido acesso ao endereço do mesmo. Mas agora ninguém lá vai apenas por ele próprio. Actualmente é preciso muito mais.

Agregar a um blog as potencialidades dos social media torna-se fundamental para quem quer sair da massa e tornar-se uma fatia especial e apetecível do bolo. Existem milhentas pessoas a criarem blogs. Conhecê-las a todas seria insano. E nem todas depois de os criarem, os mantém vivos. Há por aí muito blog morto!

Para criares, dar vida e  fazeres a festa connosco convido-te a ouvir o podcast do Pum Pum, para o qual fui convidada. Clica em https://buff.ly/2m7pRdw e escolhe a plataforma (You Tube, no Facebook, na Mixcloud... ) em que queres ouvir. Coloca no play a caminho para casa, para o trabalho, para a universidade, a arrumar a cozinha... Podes sempre pôr na pau…

A Tua Rotina Dita O Teu Sucesso

"O ser humano é um animal de hábitos.", provavelmente já ouviste esta expressão. Se não a ouviste, sendo tu humano, de certo que já sentiste a dificuldade de deixar um hábito ou instalar um novo. Isso deve-se a que estamos acostumados a dada coisa, e sair dessa rotina, requer esforço e dedicação. 
Acredito que também já tenhas sentido a alegria de alcançares algo e ficares contente contigo mesmo. Provavelmente para isso criaste hábitos, rituais, rotinas... para cortares a meta numa corrida de 10 km, terás tido um trabalho anterior, que te levou a desenvolver certas acções com alguma regularidade, por exemplo, correr de dois em dois dias um número de quilómetros. Nesses dias de preparação, quase de certeza que tiveste que vencer a preguiça e outros tantos obstáculos que apareceram no teu caminho. Nesses dias o sabor de correr não se compara ao sabor de cortar a meta no dia da prova. 
São esses pequenos passos que nos podem levar à vitória. E na blogosfera é tal e qual a mesma…