Avançar para o conteúdo principal

Next to me, or not

O Guilherme dormiu ao nosso lado até para lá de um ano, se não dois!? Primeiro na alcofinha. Depois na cama de grades. Sobretudo por uma questão de falta de espaço. A Mariana também dorme ao nosso lado. Até quando? Não sei, mas a ideia era até aos seis meses. Era? Sim, porque com o cansaço destas noites, já pondero uma alteração de planos.
Quando estávamos a fazer a preparação para o parto, a parteira aconselhou a que o bebé dormisse no quarto dos pais, devido à morte no berço. Consta que ajuda a que o bebé não entre num sono demasiadamente profundo, o qual poderia abrir portas a esse fantasma da primeira infância: morte súbita. Isto porque como os pais estão no quarto e, durante o sono, vão-se mexendo, e alguns imitem sons, os chamados roncos (não é o caso de nenhum de nós, mas podia ser!), o bebé tem sempre estímulos para manter um nível de sono que lhe permite, por exemplo chorar se sentir a manta sobre ele, o que se não acontecer, poderá levar a uma asfixia.
Eu desconfio que no meu inconsciente o que me convenceu foi o facto de ser mais cómodo, pois quem dá mama, não precisa de se levantar. E com a caminha da Chicco que comprámos, é só esticar a mão para repor a chucha, quando cai daquela boquinha linda, mas muito sonora, para que conste. Chicco Next2Me tornou-se também uma escolha evidente, pois gostamos de viajar, e este berço desmonta-se e transporta-se com muita facilidade. Para além disso, tem rodas para poder levar do quarto para a sala. Pelo menos era essa a ideia, mas os cálculos saíram ao lado... digamos que existem alguns obstáculos no caminho cá em casa, que não o permitem. É uma pena, mas não deixo de estar muito satisfeita com a compra.
Só que há um "mas". Ter a cama colada à minha, ter a Mariana à distância de um estender de braço, faz com que:

  • desperte com cada mínimo barulho (agora já não tanto pelo cansaço acumulado, mas mesmo assim..)
  • reaja a cada choro
  • dê de mamar praticamente sem saber o que estou a fazer, isto é,como não me levanto para dar de mamar, dou adormecida e até adormeço por breves segundos (conheci quem tivesse adormecido a dar a mama... o que não acabou mal, mas podia) 
E cá entre nós, que ninguém lê, não é a coisa mais romântica ter a nossa intimidade conjugal com um pequeno ser ali mesmo mesmo ao lado. Ou será mais uma vez os meus preconceitos e afins? Sou a única a achar?
Resumindo, ando-me a questionar se realmente é benéfico ter o berço da Mariana mesmo ao meu lado... onde fica a minha sanidade mental, se isto continua assim!? No outro dia andava à procura dos pinhões para o Pesto e tinha-os colocado no frigorífico. Não é grave, acontece. Como acontece ter que por a mão no lixo, porque mandei para lá a cápsula do café, que ia beber, juntamente com as já usadas. 
Dos seis meses só faltam praticamente quatro meses, o que significa duas vezes o tempo que já passou. Vá, mas pronto, a tendência é de melhorar. E tenho fé de recuperar o meu "tico" e o meu "teco" no final deste meio ano de Mariana next to me

Comentários

Mensagens populares deste blogue

A Tua Rotina Dita O Teu Sucesso

"O ser humano é um animal de hábitos.", provavelmente já ouviste esta expressão. Se não a ouviste, sendo tu humano, de certo que já sentiste a dificuldade de deixar um hábito ou instalar um novo. Isso deve-se a que estamos acostumados a dada coisa, e sair dessa rotina, requer esforço e dedicação. 
Acredito que também já tenhas sentido a alegria de alcançares algo e ficares contente contigo mesmo. Provavelmente para isso criaste hábitos, rituais, rotinas... para cortares a meta numa corrida de 10 km, terás tido um trabalho anterior, que te levou a desenvolver certas acções com alguma regularidade, por exemplo, correr de dois em dois dias um número de quilómetros. Nesses dias de preparação, quase de certeza que tiveste que vencer a preguiça e outros tantos obstáculos que apareceram no teu caminho. Nesses dias o sabor de correr não se compara ao sabor de cortar a meta no dia da prova. 
São esses pequenos passos que nos podem levar à vitória. E na blogosfera é tal e qual a mesma…

Vencedores e Vencidos - Blogs do Ano 2017

A minha curiosidade recaía sobretudo na categoria Família. Pelo segundo ano que Cocó na Fralda está no trono. (Parabéns! )Pelo segundo ano que Dias de Uma Princesa vai à luta com uma das meninas do The Woffice... e perde.
Li para aí, na esfera dos blogs, duras críticas a este concurso, como também algumas dores de cotovelo e um outro tanto de comentários. Que Sónia Morais Santos, Ana Garcia Martins e Catarina Beato têm o jornalismo em comum... e que os Blogs do Ano são levados a cabo pela empresa Media Capital pode parecer uma relação já por si pouco neutra, mas sejamos sinceros: tanto estes blogs e bloggers, como todos os outros que foram a votação, são blogs com muito trabalho investido, muitos anos de existência e muita visão de blogging.
Digamos que estes jogam na primeira liga do campeonato, depois existem outros bons, mas ainda ao nível da segunda e terceira. Se queremos jogar as partidas mais desafiantes do campeonato temos de treinar para isso, com um óptimo treinador e um ex…

Blogging e Social Media em 2017

O blog, por si só, já não é suficiente. Há uns 14 anos atrás escrevia num blog e as pessoas iam visitá-lo directamente... eram familiares, amigos, conhecidos ou desconhecidos, que de um modo ou de outro, tinham tido acesso ao endereço do mesmo. Mas agora ninguém lá vai apenas por ele próprio. Actualmente é preciso muito mais.

Agregar a um blog as potencialidades dos social media torna-se fundamental para quem quer sair da massa e tornar-se uma fatia especial e apetecível do bolo. Existem milhentas pessoas a criarem blogs. Conhecê-las a todas seria insano. E nem todas depois de os criarem, os mantém vivos. Há por aí muito blog morto!

Para criares, dar vida e  fazeres a festa connosco convido-te a ouvir o podcast do Pum Pum, para o qual fui convidada. Clica em https://buff.ly/2m7pRdw e escolhe a plataforma (You Tube, no Facebook, na Mixcloud... ) em que queres ouvir. Coloca no play a caminho para casa, para o trabalho, para a universidade, a arrumar a cozinha... Podes sempre pôr na pau…