sábado, 27 de agosto de 2016

Eu sou do tempo

Do tempo em que a internet não era coisa tão acessível como hoje, que não era tão rápida e cheia de soluções. Era experimental, às vezes on, outras vezes off. E que, muitas vezes, tínhamos de ir a um cibercafé, porque não tínhamos ligação em casa. Do tempo dos chats num formato impessoal, sem fotografias e audio, apenas troca de palavras. Do tempo em que ainda se era mais anónimo. Do tempo em que se tinha um nickname muito estranho, a ver com nada, e que conversávamos com outros com nicknames às vezes ainda mais estranhos do que os nossos. Do tempo em que não havia "livro de caras" online e que a vida ainda era um pouco mais privada. Do tempo em que para escrever num blog, escrevia-se primeiro no Word, para não se perder os textos, caso o backoffice desse erro ou fosse abaixo. Do tempo em que os blogs eram mais texto do que imagens. Do tempo em que ser blogger era para desocupado... e poucos sabiam o que isso era. Do tempo em que se usava disquetes para armazenar alguns textos e poucas imagens, pois essas ocupavam muito espaço. Do tempo em que cameras digitais e telemóveis, com capacidade fotográfica, era uma miragem. Do tempo em que digitalizava-se fotografias em papel para poder ter fotos online. Do tempo em que havia mais ar para respirar na internet... não era tudo tão cheio e cheio de ofertas.
Mas também sou deste tempo que é tudo bem mais fácil, mais intenso, mais rápido, mais on, mais digital, mais acessível, mais cheio de ofertas e soluções, mais cheio de imagens e sons, mais cheio de vida pública e publicada... do tempo em que blogger é uma profissão, blogger é para gente cheia de actividades... do tempo em que cada um pode ter uma máquina fotográfica digital ou/e um telemóvel que fotografa.
E ainda serei de outro tempo, se Deus assim o permitir... E este agora, será passado.

Sem comentários:

Enviar um comentário

© A Mulher do 31 - 2016. Todos os direitos reservados.
Criado por: Ana Oliveira.
Tecnologia do Blogger.
imagem-logo