terça-feira, 23 de maio de 2017

|Mães Felizes| 4 Dicas para Identificar o Valor enquanto Mãe


Foto: Kaboompics.com
Como vos havia dito, aqui estou a escrever acerca de cada hábito que pode ajudar as mães a serem felizes, nos momentos em que não o são. Começamos pelo início. O primeiro hábito é: Tenha a noção do seu valor como mãe.

Bem, confesso, quando li este hábito pensei: "isto é uma daquelas tarefas!!!! Muitas de nós ficam já aqui encalhadas. Não, porque não tenhamos valor, mas porque descobri-lo... é uma arte".

O que vale é que a autora, Meg Meeker, que é pediatra e mãe, ajuda-nos com uns trabalhinhos de casa. Ora aqui vão quatro dicas para identificarmos o quanto valemos:

1. Veja-se através dos olhos do seu filho: este é um exercício simples. Requer o seu poder de imaginação. É necessário esquecer-se agora que você é você. E procure colocar-se na pele, no lugar do seu filho. Como é que ele a vê? Como é que ele se sente na sua presença? O que é que ele ouve de si? O que ele pensa acerca de si? De certo que como filha sabe responder a estas perguntas, se elas fossem feitas a respeito da sua mãe. Responda. Esse pode ser o ponto de partida para conseguir ir mais profundo no real conhecimento do seu valor enquanto mãe, pois as nossas mães, queremos ou não, moram dentro de nós... nós somos mais parecidas com elas do que pensamos, ou até desejamos.
2. Concentre-se no propósito mais profundo da vida: como aponta a autora, para nos concentrarmos no propósito, primeiro temos de encontrá-lo, descobri-lo. E como fazer isso? Um dos caminhos é pensar-se nas áreas em que se é boa. Se tiver dificuldade pode pedir ajuda a pessoas próximas. De certo que familiares e amigos saberão dizer-lhe no que é óptima. Outra alternativa é ler artigos, livros... sobre o tema. E se meditar ou orar sobre isso? Sempre poderá receber algum input a respeito do campo da sua excelência. Mas não confunda isso com as capacidades que tem para fazer algo. O propósito mais profundo da vida está sobretudo ligado ao ser e não ao fazer. Qual é a marca que costuma deixar nas pessoas e nos sítios por onde vai? Provavelmente está aí uma pista para o que procura saber acerca da sua vocação. De certo que também a ajudará, a chegar a uma conclusão mais clara, se reflectir sobre aquilo que gosta de fazer, que faz fluir de si algo muito gratificante, pelo qual não pede dinheiro, gasta (ou gastaria) imensas horas, sem se cansar de o voltar a fazer? Depois de descoberto o propósito mais profundo da sua vida, é focar-se nele.
3. Tome nota do que leva no caixão (e do que não leva): esta dica é a mais sombria das quatro, mas também ela importante. Se imaginarmos o dia que partimos, e a hora em que se despedem de nós... no que estarão a pensar? Que palavras serão ditas a seu respeito? De certo que não vão falar como você se vestia bem, como seguiu rigorosamente (ou não) aquela dieta... mas será tema de conversa o modo como marcou as pessoas. E para identificar o seu valor enquanto mãe, o que acha que dirão os seus filhos nesse instante?
4. Faça uma lista (e guarde-a para si): talvez seja raro o dia em que alguém lhe diz algo acerca do seu valor. Isso não quer dizer que ele não esteja lá. Para que saiba que ele está presente no seu dia a dia, escreva-o num papel. Aponte ao longo do dia o que fez bem como mãe. Coloque na lista o contributo que deu para um melhor dia para os seus filhos. E afaste os pensamentos negativos a respeito das suas falhas. Quem semeia o bem, colhe-o também. Semeie bons pensamentos, que verá óptimos resultados na sua vida.
Na próxima terça feira vamos debruçarmo-nos sobre as amizades certas... porque das erradas, ninguém precisa.


Segue A Mulher do 31 (@amulherdo31) também no Instagram e no Facebook.

Sem comentários:

Enviar um comentário

© A Mulher do 31 - 2016. Todos os direitos reservados.
Criado por: Ana Oliveira.
Tecnologia do Blogger.
imagem-logo