Avançar para o conteúdo principal

Costura 3# Agulheiro de Pulso

Os projectos d' A Mulher do 31 não são apenas feitos de ganga. Hoje trago-vos a experiência de fazer uma almofada para espetar as agulhas e tê-las bem à mão, ou melhor, ao pulso, isto quando se está a trabalhar. Trata-se de uma almofada numa forma de pulseira.
Eu escolhi pano vermelho, verde, amarelo e estampado para este trabalho. Não é preciso muito, por isso talvez com restos de material também dê para se realizar esta experiência. Recortei ainda os moldes em cartão. Usei o cartão de um pacote que veio na entrega de uma encomenda pelo correio. Há que aproveitar tudo o que se pode reutilizar! A minha avozinho dizia "Quem guarda acha" O meu marido é que não acha muita piada ao que ele chama tralha que se acumula. (E com alguma razão!)

Vou deixar-vos as medidas de cada peça de tecido para esta almofadinha e o restante material:
  • tecido estampado de 7 cm por 7 cm, por 2 vezes
  • tecido verde um círculo de cerca de 8,5 cm e apenas uma vez
  • tecido vermelho um círculo de cerca de 13 cm e também só uma vez
  • tecido amarelo o tamanho do pulso a que se destina com mais 4 cm e com a largura de 6 cm
  • cartão circular de cerca de 5 cm
  • esponja ou material semelhante para enchimento (dá a esponja da loiça)
  • um botão ou outro pequeno detalhe para decorar
  • fecho de velcro
1. Eu escolhi fazer com uma flor, mas cada um pode escolher o seu motivo, por exemplo um coração. E a partir de um modelo que tinha em feltro, desenhei a flor no tecido estampado. A flor tem um problema para iniciantes como eu: tem vários cantos e recantos, por isso talvez seja melhor o coração. Na primeira curva da flor saí disparada pelo pano a fora. Ups.














2. De seguida, há que recortar a forma que costurámos, mas atenção para não cortar a linha da costura, contudo também não devemos deixar muito tecido à volta, cerca de meio centímetro.









3. A seguir, alfinetamos este motivo no centro do círculo vermelho.
Pormenor: até aqui tinha usado linha vermelha, mas achei que para dar contraste deveria mudar para verde.
Então, agora, cosemos à volta sobrepondo praticamente os pontos da costura anterior com a actual, fazendo a forma da flor.
Atenção: quando se costura à máquina devemos sempre começar com o ponto reto, mesmo que depois usemos o zigzag - que foi o ponto que já tinha usado anteriormente e voltei a usar agora. E porquê? O ponto reto inicial e final serve para fazer o remate da linha, de modo a ela não se descoser. Por isso cose-se uns três pontos para a frente e uns outros tantos para trás. E depois dá-se início ao ponto que queremos, neste caso o zigzag.

4. Nesta etapa vamos coser à volta do círculo vermelho com um ponto reto largo, para que depois possamos puxar com cuidado a linha e dar-lhe a forma côncava que precisamos. Fazemos isso, prendendo uma ponta da linha, após ter costurado, à volta da cabeça de um alfinete e a indo puxando com suavidade a outra ponta de modo a que fique um franzido. Quando tiver a medida certa para colocarmos o enchimento e o cartão, damos um nó para que a linhas não se soltem.  









Ainda não acabámos. Vamos lá, falta pouco e fica muito bonito!


5. Agora vamos pegar no nosso círculo verde (o círculo mais pequeno) e vamos coser duas vezes à volta no ponto pequeno de zigzag. E porquê neste ponto pequeno? Para dar o efeito ondulante. As duas voltas não têm de ser da mesma cor, podem ser de cores diferentes. Eu fiz mais do que duas e todas em verde. Fiz mais do que duas, pois o meu tecido não ondulou tanto como era esperado.

6. Chegou a hora da bracelete. Pegamos na nossa tira de tecido e dobramo-la na sua largura, com o lado direito de tecido para dentro. Atenção: O lado direito de tecido é normalmente o lado mais bonito do tecido. Cosemos na sua largura e apenas um dos lados, para que possamos virar o tecido. Isso podemos fazer com a ajuda de uma agulha de tricot, o cabo de uma colher, ou paus chineses. Eu tive de fazer duas vezes esta bracelete, pois da primeira vez cosi deixando uma margem larga de tecido e naturalmente ficou muito estreita. Ela precisa de ter tamanho para colocarmos o velcro.
7. A aplicação do velcro depende do que compraram. Existe os com cola e os para coser. Eu comprei no Ikea com cola, mas mesmo assim, por segurança reforcei com uma costura.
Nesta fase temos de ter muita atenção para que realmente sai certo. Eu primeiro montei tudo com alfinetes e experimentei no meu pulso para ver se estava bem.
Ora, a parte mais rugosa do velcro é colocada numa extremidade da bracelete e a mais fofinha no centro do círculo verde.
O lado da bracelete que ficou aberto cosemos ao nosso círculo verde, por isso o velcro mais rugoso precisa de ficar na outra extremidade.
Portanto vamos colocar essa extremidade entre o círculo verde e o vermelho na medida adequada e com agulha cosemos à mão o ponto atrás, sempre tendo em atenção que realmente estamos a coser os dois juntos: verde e vermelho.
No final, quem quiser, pode colocar um botão no centro da aplicação e coser, fazendo dois ou três pontos primeiramente apenas no centro do tecido e depois introduz o botão, cosendo-o com várias passagens através da espuma, do cartão e do velcro no círculo verde, claro.

Para quem é experiente este projecto pode levar cerca de meia-hora. O que não é o meu caso! Demorou um pouco mais, mas amei a experiência e vocês?


Projecto baseado no exemplo em http://www.nadelspiel.com/2012/09/03/nahen-nadelkissen-fur-den-arm-mit-herz-applikation-und-klettverschluss/

Comentários

Mensagens populares deste blogue

A Tua Rotina Dita O Teu Sucesso

"O ser humano é um animal de hábitos.", provavelmente já ouviste esta expressão. Se não a ouviste, sendo tu humano, de certo que já sentiste a dificuldade de deixar um hábito ou instalar um novo. Isso deve-se a que estamos acostumados a dada coisa, e sair dessa rotina, requer esforço e dedicação. 
Acredito que também já tenhas sentido a alegria de alcançares algo e ficares contente contigo mesmo. Provavelmente para isso criaste hábitos, rituais, rotinas... para cortares a meta numa corrida de 10 km, terás tido um trabalho anterior, que te levou a desenvolver certas acções com alguma regularidade, por exemplo, correr de dois em dois dias um número de quilómetros. Nesses dias de preparação, quase de certeza que tiveste que vencer a preguiça e outros tantos obstáculos que apareceram no teu caminho. Nesses dias o sabor de correr não se compara ao sabor de cortar a meta no dia da prova. 
São esses pequenos passos que nos podem levar à vitória. E na blogosfera é tal e qual a mesma…

Vencedores e Vencidos - Blogs do Ano 2017

A minha curiosidade recaía sobretudo na categoria Família. Pelo segundo ano que Cocó na Fralda está no trono. (Parabéns! )Pelo segundo ano que Dias de Uma Princesa vai à luta com uma das meninas do The Woffice... e perde.
Li para aí, na esfera dos blogs, duras críticas a este concurso, como também algumas dores de cotovelo e um outro tanto de comentários. Que Sónia Morais Santos, Ana Garcia Martins e Catarina Beato têm o jornalismo em comum... e que os Blogs do Ano são levados a cabo pela empresa Media Capital pode parecer uma relação já por si pouco neutra, mas sejamos sinceros: tanto estes blogs e bloggers, como todos os outros que foram a votação, são blogs com muito trabalho investido, muitos anos de existência e muita visão de blogging.
Digamos que estes jogam na primeira liga do campeonato, depois existem outros bons, mas ainda ao nível da segunda e terceira. Se queremos jogar as partidas mais desafiantes do campeonato temos de treinar para isso, com um óptimo treinador e um ex…

Blogging e Social Media em 2017

O blog, por si só, já não é suficiente. Há uns 14 anos atrás escrevia num blog e as pessoas iam visitá-lo directamente... eram familiares, amigos, conhecidos ou desconhecidos, que de um modo ou de outro, tinham tido acesso ao endereço do mesmo. Mas agora ninguém lá vai apenas por ele próprio. Actualmente é preciso muito mais.

Agregar a um blog as potencialidades dos social media torna-se fundamental para quem quer sair da massa e tornar-se uma fatia especial e apetecível do bolo. Existem milhentas pessoas a criarem blogs. Conhecê-las a todas seria insano. E nem todas depois de os criarem, os mantém vivos. Há por aí muito blog morto!

Para criares, dar vida e  fazeres a festa connosco convido-te a ouvir o podcast do Pum Pum, para o qual fui convidada. Clica em https://buff.ly/2m7pRdw e escolhe a plataforma (You Tube, no Facebook, na Mixcloud... ) em que queres ouvir. Coloca no play a caminho para casa, para o trabalho, para a universidade, a arrumar a cozinha... Podes sempre pôr na pau…