Avançar para o conteúdo principal

|Infância| Amanhã, dia de infantário... não, não, não

Ao ler alguns dos blogs de mamãs, que proliferam na web, tive vontade de partilhar a minha experiência... não como mãe, mas como filha... as idas para o infantário e o desejo delas não acontecerem.
Eu bem me lembro de fazer uma choradeira... não com cinco ou seis anos!!, pois até essa idade eu estava num infantário que era um lar para mim. Chorava, com o peito apertado de angústia, depois disso. Quando entrei para a escola primária, passei a frequentar uma associação de tempos livres. Nessa época, recordo-me como queria ir sempre para o trabalho dos meus pais... ir para a vizinha... mas menos para essa instituição. E essa fase foi prolongada.
A minha ama, que cuidou de mim em bebé até ir para o infantário e que de vez em quando ia-me levar e buscar a essa associação... ainda hoje me recorda que eu parecia o Pierrot, com a cara triste e a lágrima a escorrer, colada ao vidro da porta da sala, que dava para a rua.
Lembro-me bem do dia em que a associação fora assaltada. Ainda andava na escola primária. Nesse dia a minha ama foi-me buscar à escola e fiquei com ela na sua casa. Ai como desejei que a associação fosse assaltada mais vezes, muitas vezes, de preferência todos os dias!
Lá para o sexto ou sétimo ano comecei a ir apenas almoçar e passar poucas horas nessa instituição, em que me mantinha inscrita... lembro-me de uma educadora, apesar de ser uma situação acordada com os meus pais, dizer-me, com um certo ar, que aquilo não era nenhum hotel. Foi o último ano. Depois passei a ficar em casa sozinha. Ou melhor, primeiramente com o meu irmão.
Tenho recordações desses momentos, em que desejava tudo, menos ir para o infantário. Mas nada que me tenha matado. Estou viva, aqui, e feliz. Mas acredito que, como adultos, precisamos vigiar, para que aquilo que está na raiz, não deixe marcas. É bom observar para perceber se essa choradeira não é sinal de algo que a criança não consiga verbalizar.

Na terra da minha avó com cerca de dois anos...
Design: Canva.com

No meu caso, à distância, sinto que essa choradeira e mal estar interior, uma espécie de angústia, tinha a ver com vários aspectos, mas os predominantes eram:

  1. eu tinha vindo de um infantário em que tudo era pequeno, e todos nos conhecíamos bem, as educadoras eram muito carinhosas... e na instituição, para a qual não queria ir, era um espaço com muitas salas, muitas educadoras, muitos meninos... e eu sentia-me como se não fosse vista, não fosse acarinhada... mas na verdade era apenas a diferença da passagem de uma instituição para outra;
  2. eu tinha pouca confiança em mim, apesar de parecer o contrário, e nessa instituição não me sentia apoiada como na anterior, tinha a sensação que as educadoras preferiam todas as outras meninas do que a mim, que abraçavam mais as outras meninas do que a mim, que davam mais sorrisos e atenção às outras meninas do que a mim...;
  3. eu não falava acerca do que sentia, e no trabalho dos meus pais era paparicada, e sentia-me vista pelas pessoas, sentia-me acarinhada e sentia-me segura perto deles...
É incrível, nunca falei com eles sobre isto... mas veio tudo ao de cima ao ler tantas mães com o coração apertado por deixarem as suas crias a chorar, e a pedirem para que não as deixem. Às vezes pode ser apenas uma questão de adaptação... mas em qualquer dos casos, o mais importante é falar-se sobre isso. Não apenas acarinhar, e dizer que vai ficar bem... sobretudo falar para perceber o que a criança sente e desvendar a raiz de tal comportamento. Pode não ser nada, e pode ser qualquer coisa. 

Boas entradas na semana que nos bate à porta!

Segue A Mulher do 31 (@amulherdo31) também no Instagram e no Facebook.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Dias de Uma Princesa apanha Cocó na Fralda

Ontem apresentei-vos o Google Trends. E hoje partilho convosco uma outra aplicação desta ferramenta, usando como exemplo os meus dois blogs preferidos da categoria Família que estiveram a concurso na edição deste ano dos Blogs do Ano. E no final viajamos pelo blog A Pipoca Mais Doce, para as amantes de Lifestyle.
O blog Cocó na Fralda tem vindo a descer no número de procuras e o blog Dias de Uma Princesa tem vindo a subir. No final de Setembro deste ano - altura em que abriram as votações para o concurso organizado pela Media Capital - as linhas cruzaram-se e o blog de Catarina Beato acabou mesmo por ultrapassar o de Sónia Morais Santos. Esta proeza já voltou a acontecer mais do que uma vez, desde essa data, mesmo depois de Cocó na Fralda ter ganho o prémio de Melhor Blog do Ano na categoria Família. Apesar do crescimento do blog Dias de Uma Princesa, no que respeita às pesquisas no último ano, a média de procura deste é apenas de 27, o que fica abaixo dos 56 de Cocó na Fralda, com o…

Blog Planner 2018 (Gratuito)

Gosto de Planners e gosto de DIYs. A Bruna Arouca, já vossa conhecida (guest post de sábado passado), criou um Blog Planner para o ano que já está a bater à porta. Não só o criou, como o partilhou gratuitamente e deu instruções como o usar.

Já ficávamos felizes por aqui. Mas há mais. Esta portuense de 20 anos ainda nos deu indicações de como fazer um personalizado. É só seguir as sugestões da Bruna no Fashion Mornings.

Eu já fiz o download e impressão para me organizar melhor em 2018. Quanto a criar um com a cara d'A Mulher do 31... estou a caminho.


Para quê serve um Blog Planner? Ter um Blog Planner vai-te ajudar a ter à frente dos teus olhos, os teus objectivos, as tuas ideias... e o tempo que ainda tens para as atingir. Vai permitir-te gerir melhor o teu dia a dia para poderes ser mais participativa na blogosfera (como acredito que queiras). Vai ajudar-te a teres uma rotina, e depois dos hábitos instalados, tudo se torna mais rápido e leve. E no final a tua autoestima sai refor…

Bate as Asas e Voa para Lá do Ninho

Estamos no tempo de procurar o conforto do lar, o conforto do quente, o conforto do interior: assim nos pede o tempo frio e cinzento próprio do Outono.
Também nas etapas da vida em que o tempo é de transição, o apelo interior é para vivê-las de um modo confortável, chama-nos a ficar  presos ao conhecido, ao provável, ao possível, ao que não incomoda, ao que não desafia...

De certo que já passaste por momentos na vida que tiveste de dar um passo em frente, sem saber se as escadas tinham três degraus ou trinta, se os músculos iam doer no final da subida. Mas foste. Ganhaste fôlego e lá foste tu. Pé ante pé subiste cada etapa até celebrares a vitória de chegares e agarrares o teu objectivo, alcançares outro patamar.

Eu recordo-me de alguns desses momentos. Talvez tu te identifiques com eles, ou se calhar tens outros bem diferentes, mas a sensação... a do desconforto do desconhecido e o entusiasmo de o ultrapassar, deve ser comum. Concordas?

Preparação para Lá do Ninho (do Confortável)Entra…