Avançar para o conteúdo principal

As Cores menos Luminosas da Cena

Antes de amamentar sonhava com a parte bonita, a mais falada e conhecida, mas desse quadro ficavam de fora as cores menos luminosas da cena.
Quando na prática as comecei a viver, cresceu uma espécie de revolta no meu interior contra pessoa incerta. Revolta por me falarem tanto, e tantas pessoas, do parto, das coisas terríveis dessa hora (ou melhor, horas), mas do que se vive nos meses seguintes... ninguém me esclareceu com tanta veemência.
Para mim tornou-se mais difícil o acordar para amamentar, sem descanso prolongado, do que propriamente o parto. Amamentar requer, com sorte, que estejamos a dar mama de três em três horas, que na realidade só nos permite - no máximo - dormir duas horas seguidas, pois amamentar leva tempo, pelo menos 20 minutos, para além da preparação das mamadas... ou seja, lavar tetinas, biberões, esterilizá-los, ou extrair leite... ou mudar a fralda...
Como não descansava durante o dia, enquanto o Gui dormia, e deitava-me às mesmas horas que anteriormente, estava a ficar exausta e o meu cérebro já me pregava partidas. Com dois meses, ele passou a dormir cinco horas seguidas, e isso já me possibilitou alguma recuperação. E até lá o biberão, que o Kevin lhe pudesse dar à noite, já era um grande apoio.
Através da experiência com o Guilherme vivi na prática o resultado do stress e das preocupação na dificuldade de produção de leite; melhor, da própria amamentação, pois de repente o foco deixa de ser o amamentar a peito, para o ver o mais rapidamente recuperado, o que me levou a não ser insistente nas respostas em relação a dar leite materno no internamento.
Por outro lado, considero que este processo precisa de qualidades como paciência e serenidade por parte da mãe, mas também respeito pela mãe e pelo bebé. Isto é respeitar os medos e as dúvidas das mães e os ritmos dos bebés. Eu estava demasiadamente nervosa e medrosa. Pouco perguntava, quase com medo das respostas. Ele era tão pequenino. Vê-lo internado, tirou-me o chão, criou-me medos, dúvidas....
Estou certa que para dar certo é essencial: perseverança. Desistir perante os problemas, que a amamentação coloca, leva-nos a retirar um tesouro que pertence aos nossos filhos, dado através de nós: o leite materno.
Com a Mariana procuro por em prática o que aprendi com o Guilherme. Não só com o que deu certo, mas (sobretudo) com o que foi um passo em falso. [Continua]

Comentários

Mensagens populares deste blogue

|Emagrecimento| Antes e Depois

Talvez te recordes desta fotografia!? Daquela mensagem que partilhei AQUI, acerca do Antes e Depois de grávida!? Mas agora este Antes e Depois trata-se de quando ainda não tinha iniciado a minha reeducação alimentar e do ponto a que quero chegar com ela. Mas não só chegar, como manter.
Diga-se que a fotografia do Depois ainda merecia uma redução da barriga, ou uns abdominais mais definidos... O duplo queixo??? Dispenso.
Entre uma fotografia e outra ficam (de forma simulada) 10 quilos de diferença. Se me perguntares: e quando queres chegar a esse ponto? Respondo-te: sem prazos, quero respeitar o meu ritmo, quero sentir cada etapa de modo consistente, com flexibilidade, sem restrições, nem fanatismos. Até porque a minha intolerância à lactose e os meus problemas da tiróide precisam de tempo para se reestruturarem, ou eu aprender a dar-lhes a volta.
Dizem que por sofrer de hipotiroidismo tenho mais dificuldade em emagrecer. Dizem... Como me dizia aquela senhora no ginásio, depois de eu …

|Portugal| Em Grande Sofrimento

Sento-me ao computador para ler os últimos post dos blogues que sigo... a primeira ida à praia, este ano, da Carlota; uma receita para os pequenos comerem legumes disfarçadamente; uma declaração de ser agnóstica por tudo o que se vê na TV e começo a perceber que algo se passou...

Cá em casa não temos canais português, por isso não sabemos o que se passa em Portugal, a menos que falemos com os nossos familiares e amigos, ou que procuremos na net. (É uma opção!)

Pronto, vou ao Sapo para ver o que realmente está a acontecer. Pensei que fosse mais uma fase que há todos os anos, em que os "anjos" (bombeiros) sofrem horrores para proteger aquilo que é de todos, bem como os bens de privados, que vêem ameaçadas as suas propriedades com labaredas rebeldes, que teimosamente não apagam e dançam livremente por onde lhes apetece, sem que ninguém queira dançar com elas.

E é no seguimento dessa leitura que me dei conta do que Pedrógao Grande viveu e está a viver. Por mais que possa fazer o…

Steve Jobs: Nem sempre os bem sucedidos são vencedores

Steve Jobs, até há pouco tempo, era apenas a figura central de um livro que entrou na nossa casa, mas que ainda ninguém leu. Aquele tipo de livro que se olha para ele várias vezes, folheia, mas que continua por ser lido. E assim se mantém...

Mas de repente o interesse de o ler cresceu. Aliás tem-se desenvolvido à medida que vou tendo contacto com citações dele, mas também depois de ter visto um vídeo, no qual já aparecia bastante debilitado pela doença, e fala de aspectos realmente importantes na vida... e agora devido ao filme que assisti através da Amazon Prime, com o seu nome, e com Michael Fassbender a representá-lo.

Trata-se de um drama biográfico da vida de um homem cheio de sucesso na vida profissional, mas com dificuldades nos relacionamentos pessoais e familiares. Kate Winslet desempenha o papel fantástico de seu braço direito, como directora de Marketing que o acompanhou desde os tempos da Apple. E é ela que, como diz no filme, sabe e explica aos outros como Steve Jobs funci…