/
Aprendizagem

As Nossas Perdas

dezembro 25, 2018

Novamente uma perda. Se é recuperável como a do disco externo, não sei ainda. Mas que já me deu direito a uma neura, e sei lá mais o quê, já.

Mulher de costas com uma mochila preta

Disseram-me: "Não vás à bruxa, não!", assim que souberam do que me tinha acontecido. Não vou, não. Podia prender-me à ideia de que fui vítima de olho gordo, praga, maldição, inveja... mas prefiro aprender com a experiência.

O Medo

Três dias antes do voo para Portugal comecei com dores de cabeça. Semanas antes já tinha começado a sentir algo que não é comum em mim: medo. Fiquei com receio de perder os meus produtos de makeup que uso também como mostruário da minha loja. Contactei algumas pessoas para saber o que deveria fazer de modo a prevenir alguma perda.

Decisões à Última da Hora

Pouco antes de sair de casa, estava decidida a deixar metade dos produtos em casa, e outra metade trazer. Mas depois, peguei naqueles que iam ficar e coloquei-nos na bagagem de mão. Um dos meus receios era passar na Segurança, por causa da questão dos líquidos e afins. Passámos por essa área e senti-me aliviada. Não existiu qualquer problema.

No Tempo de Espera

Depois sentámo-nos à espera de chegar a hora de embarque, sendo que já estava anunciado um atraso de mais de uma hora. Saímos desse primeiro poiso e fomos finalmente para perto da porta de embarque. Ora, mais um pouco de espera.

Dar-me Conta da Perda

Já quase a aterrar, olho para debaixo do banco onde iam o meu filho e marido, e vejo a minha mala aberta, e quase todas as coisas que estavam lá dentro espalhadas pelo chão. Recuperei tudo, mas a minha bolsinha com os meus produtos, desapareceram. Comecei a ficar em pânico. Queria perguntar aos passageiros de trás, mas chegou a altura de aterrar, e tínhamos de nos sentar com os cintos postos. Queria ver nas outras malas... queria apenas encontrar a bolsinha. Tive de esperar. E enquanto esperava mais agoniada ficava.

Recuperar o Espírito

Até que aterrámos, tirei o cinto e comecei a procurar, e nada. Pode-se dizer que o prazer de estar no meu país acabou por ser adiado. Passei essa noite e meio dia triste, sem ânimo, mas depois comecei a recuperar o meu estado normal, de positivismo e de força.

mulher a orar

Dicas para o Antes

Assim, aprendi que:

  1. assim que sinta medo devo transformá-lo positivamente. Deixar andar e encontrar maneiras de o controlar (ou remediar), é uma solução falsa. Há que pensar positivo para que possamos viver em liberdade.
  2. colocar os nossos bens valiosos numa mala, ou compartimento de uma mala, que não seja aberta ao longo do tempo de espera ou de voo. E muito mais ter em atenção quando temos crianças que nos mexem na bagagem.
  3. ver sempre que deixamos um local, se temos realmente tudo. Deixar essa tarefa para outros pode ser prejudicial, sobretudo se o foco deles for diferente do nosso.  

Uma jovem com as mãos unidas em oração

Dicas para o Depois

Também ganhei novos ensinamentos para lidar com a situação de ter perdido uma bagagem que viesse connosco na mão.
  1. contatar de imediato pessoal de terra ou de bordo, conforme o local em que nos encontremos quando dermos conta.
  2. contatar o serviço de perdidos e achados do aeroporto de embarque e de chegada.
  3. contatar a companhia aérea do nosso voo.
  4. pensar como podemos aprender com a experiência.
  5. ultrapassar o sentimento de desilusão com fé e colocando em relação a perda.

 Mulher do 31 | Blog | Facebook |Instagram | Twitter 

You Might Also Like

0 comentários

Directo para o Email







Comigo no Facebook