Avançar para o conteúdo principal

Costura 9# Outras Versões de Capas para Livros e Afins



Este projecto teve direito a duas tentativas. Porquê? A primeira experiência, no final, não estava de acordo com as dimensões da Bíblia... ficou mais pequena. Por isso é que é importante, medir, voltar a medir... Assim vou apresentar várias fotos, umas da primeira versão e outras da segunda.

1. Criei um padrão, usando um papel velho de embrulho. A partir dele cortei as medidas que necessitava de ganga. É apenas para a parte de fora da capa.
2. Abri a costura, com a ajuda deste pequeno instrumento que desconheço o nome.
Este pedaço branco triangular que vêem na foto é
o giz marcador. Numa versão usei-o, noutra usei o
lápis de carvão.
3. Peguei num pedaço de cartão de uma caixa de encomendas e cortei um rectângulo do tamanho da capa e no centro desenhei uma cruz.
4. Verifiquei, mais ou menos (por isso é que falha! Tenho que começar a ser mais precisa!), onde ficava a Bíblia na ganga que havia aberto e desenhei com um lápis de carvão à volta do livro.
 5. No lado da capa frontal desenhei a cruz com a ajuda do nosso cartão já recortado.
6. Com a tesoura cortei a forma da cruz na ganga.
 7. Deixando uma margem, recortei a ganga necessária para o trabalho.
 8. Depois foi a vez de recortar um pedaço de tecido que desse para cobrir a área cortada na ganga na forma de cruz.
9. Coloquei o tecido sobre a ganga de modo a que a cruz fique centrada.

 10. Aqui pode-se ver que coloquei alfinetes para fixar o tecido. Também nesta fase marquei o tecido que seria o interior, o forro da capa. E usei numa das vezes aquele utensílio, que vêem na foto, para marcar. Vêem os pontinhos? É assim que ele marca.

11. Chegou a vez das nossas abas para segurar a capa ao livro ao próprio livro, essas também são úteis para guardar papéis e afins. Teremos duas. As dimensões, têm de ver se querem mais estreitas ou mais largas, eu aconselho a ser um pouco menos de metade das dimensões da capa. Eu cortei primeiramente um tecido por completo e depois cortei-o, separando as duas abas, e por fim dobrei-as.



12. Agora vamos cortar um pouco de fita para ser o nosso marcador. Há que contar com um pouco mais para costurar e para ficar que chegue para marcar e ficar uma ponta boa de fora.
13. Numa última versão, decidi cozer à volta da ganga para esta não desfiar.
14. Altura para coser a cruz. Eu decidi fazer com duas linhas de cores diferentes e com um zigzag desordenado :-) Isto é costurei uma primeira vez com uma cor, depois voltei a coser com outra.
15. Numa das versões recortei o tecido que sobrou, mas são apenas pormenores.
16. Estamos na fase de montar as várias camadas para coser e finalmente termos a nossa capa. Colocamos o tecido que será o forro. A seguir, colocamos as abas, sendo que a dobra fica para dentro. A parte que está aberta, fica para os lados que serão costurados. A fita coloca-se fixa por alfinete no meio, na parte inferior do tecido do forro. Atenção para esconder a outra ponta, de modo a não ser, por distracção, cosida. E finalmente coloca-se o tecido da capa, ou seja, a nossa ganga. Como vêem, coloca-se ao contrário, de cabeça para baixo. Na área oposta a onde a nossa fita está pregada com o alfinete, devemos deixar um espaço sem ser cosido, para que se possa virar os tecidos. Prende-se tudo com alfinetes.
17. Na última versão, cortei as pontas, para que ao voltar não fique muito volume. Trata-se de excesso de tecido que é inútil. Mas o ideal era ter feito isso antes de ter passado o zigzag todo à volta da ganga, pois agora, deste modo que fiz, o objectivo de evitar que desfie, fica sem efeito no tecido que cortei.
18. Depois de virado os tecidos, com um ponto praticamente invisível, fechamos o buraco por onde os virámos.Atenção! Neste modelo de capa não coloquei a intratela, pois a ganga já é grossa o suficiente para dar robustez à capa.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Dias de Uma Princesa apanha Cocó na Fralda

Ontem apresentei-vos o Google Trends. E hoje partilho convosco uma outra aplicação desta ferramenta, usando como exemplo os meus dois blogs preferidos da categoria Família que estiveram a concurso na edição deste ano dos Blogs do Ano. E no final viajamos pelo blog A Pipoca Mais Doce, para as amantes de Lifestyle.
O blog Cocó na Fralda tem vindo a descer no número de procuras e o blog Dias de Uma Princesa tem vindo a subir. No final de Setembro deste ano - altura em que abriram as votações para o concurso organizado pela Media Capital - as linhas cruzaram-se e o blog de Catarina Beato acabou mesmo por ultrapassar o de Sónia Morais Santos. Esta proeza já voltou a acontecer mais do que uma vez, desde essa data, mesmo depois de Cocó na Fralda ter ganho o prémio de Melhor Blog do Ano na categoria Família. Apesar do crescimento do blog Dias de Uma Princesa, no que respeita às pesquisas no último ano, a média de procura deste é apenas de 27, o que fica abaixo dos 56 de Cocó na Fralda, com o…

Blog Planner 2018 (Gratuito)

Gosto de Planners e gosto de DIYs. A Bruna Arouca, já vossa conhecida (guest post de sábado passado), criou um Blog Planner para o ano que já está a bater à porta. Não só o criou, como o partilhou gratuitamente e deu instruções como o usar.

Já ficávamos felizes por aqui. Mas há mais. Esta portuense de 20 anos ainda nos deu indicações de como fazer um personalizado. É só seguir as sugestões da Bruna no Fashion Mornings.

Eu já fiz o download e impressão para me organizar melhor em 2018. Quanto a criar um com a cara d'A Mulher do 31... estou a caminho.


Para quê serve um Blog Planner? Ter um Blog Planner vai-te ajudar a ter à frente dos teus olhos, os teus objectivos, as tuas ideias... e o tempo que ainda tens para as atingir. Vai permitir-te gerir melhor o teu dia a dia para poderes ser mais participativa na blogosfera (como acredito que queiras). Vai ajudar-te a teres uma rotina, e depois dos hábitos instalados, tudo se torna mais rápido e leve. E no final a tua autoestima sai refor…

Bate as Asas e Voa para Lá do Ninho

Estamos no tempo de procurar o conforto do lar, o conforto do quente, o conforto do interior: assim nos pede o tempo frio e cinzento próprio do Outono.
Também nas etapas da vida em que o tempo é de transição, o apelo interior é para vivê-las de um modo confortável, chama-nos a ficar  presos ao conhecido, ao provável, ao possível, ao que não incomoda, ao que não desafia...

De certo que já passaste por momentos na vida que tiveste de dar um passo em frente, sem saber se as escadas tinham três degraus ou trinta, se os músculos iam doer no final da subida. Mas foste. Ganhaste fôlego e lá foste tu. Pé ante pé subiste cada etapa até celebrares a vitória de chegares e agarrares o teu objectivo, alcançares outro patamar.

Eu recordo-me de alguns desses momentos. Talvez tu te identifiques com eles, ou se calhar tens outros bem diferentes, mas a sensação... a do desconforto do desconhecido e o entusiasmo de o ultrapassar, deve ser comum. Concordas?

Preparação para Lá do Ninho (do Confortável)Entra…